Milhões de judeus em todo o mundo celebram anualmente o "Yom Kippur" (o "Dia da Expiação"). Essa celebração, um "shabbat shabbaton" ("sábado de descanso solene"), ordenada por Deus ao povo de Israel através do profeta Moisés (Levíticos 16 Levíticos 23:26-32), representava uma ocasião em que o Senhor, por Sua própria iniciativa, "passava a borracha" sobre os pecados de Israel, trazendo restauração ao relacionamento espiritual rompido pelas transgressões do povo (Isaías 59:2). Era um tempo de arrependimento, confissão das faltas e perdão nacional. Uma "anistia" geral, permitindo um novo começo do zero a todos. Cada "Yom Kippur" no Antigo Testamento olhava profeticamente para o futuro, para o dia em que segundo o profeta Zacarias, Deus tiraria o pecado de toda a Terra (Zacarias 3:9): o dia da morte de Jesus e o início de Seu ministério a nosso favor no céu.

As roupas do sumo-sacerdote judeu eram esplenderosas, com cores reluzentes e um peitoral de pedras preciosas, verdadeira "glória e ornamento" (Êxodo 28:2). Mas no Dia da Expiação, tais vestes eram deixadas de lado, e o sumo-sacerdote vestia-se com roupas simples de linho branco (Levíticos 16:4). Da mesma forma, "o Senhor Jesus Cristo, sendo rico, por causa de vós se fez pobre" (2 Coríntios 8:9). Cristo, "embora sendo Deus", "esvaziou-se a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens" (Filipenses 2:6-7).

Dois bodes eram escolhidos - um para ser sacrificado e outro para ser solto no deserto, para nunca mais ser visto. O bode sacrificado apontava para a crucificação de Jesus, na qual "ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades" (Isaías 53:5). O sumo-sacerdote colocava as mãos sobre a cabeça do bode vivo, confessando e transferindo simbolicamente os pecados da nação, antes que o animal desaparecesse para sempre. Isso era uma representação do efeito de levar embora, definitivamente, os pecados de Israel, e simbolizava que Cristo haveria de afastar para sempre os nossos pecados. "Quanto dista o Oriente do Ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões." (Salmos 103:12) "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus." (Romanos 8:1)

Artigos Relacionados

Analisando 10 “Fake News” sobre o Natal Analisando 10 “Fake News” sobre o Natal
1) ANO DO NASCIMENTO? Jesus não nasceu no ano zero (até porque não existe esse ano; 1 a.C. passa...
Jesus: O Centro das Promessas do Antigo Testamento Jesus: O Centro das Promessas do Antigo Testamento
Jesus Cristo é o cumprimento das promessas e profecias do Antigo Testamento. Ele é a semente...
Em que hora Jesus foi crucificado? Em que hora Jesus foi crucificado?
Uma alegação feita pelos críticos da Bíblia é a diferença que existe entre Marcos e João ao...
Os Evangelhos e o “Anonimato Protetor” Os Evangelhos e o “Anonimato Protetor”
Há muitos detalhes interessantes que chamam a atenção quando uma leitura comparativa entre os quatro...

Com o sangue do bode sacrificado, o sumo-sacerdote entrava no Lugar Santíssimo, o recinto mais sagrado do Templo (essa era a única ocasião do ano em que esse acesso era permitido). O sangue era então aspergido sobre a arca da aliança, onde estavam armazenadas as tábuas de pedra contendo os Dez Mandamentos (Ex 20). A Lei Moral de Deus que havia sido pisada pelo povo estava assim vindicada de sua violação. Da mesma forma, "Cristo se tornou o Sumo-Sacerdote de todos os benefícios agora presentes. Ele entrou naquele tabernáculo maior e mais perfeito no céu, que não foi feito por mãos humanas nem faz parte deste mundo criado. Com seu próprio sangue, e não com o sangue de bodes e bezerros, entrou no Lugar Santíssimo de uma vez por todas e garantiu redenção eterna." (Hebreus 9:11-12, NVT)

Por causa de Jesus, podemos desfrutar um novo relacionamento com Deus, termos paz e esperança de vida eterna. Não há mais necessidade de celebrarmos o "Yom Kippur", pois este (assim como todas as demais festas judaicas) apontava para o Messias que redimiria a todos os que o aceitassem, através da fé em seu sangue. "... aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus." (João 1:12) Sejamos gratos a Deus por isso!

 

Artigos Relacionados

Jesus: O Centro das Promessas do Antigo Testamento Jesus: O Centro das Promessas do Antigo Testamento
Jesus Cristo é o cumprimento das promessas e profecias do Antigo Testamento...
Jesus é uma cópia de divindades pagãs? Respondendo “Zeitgeist” Jesus é uma cópia de divindades pagãs? Respondendo “Zeitgeist”
Em 2007, o documentário “Zeitgeist: O Filme” popularizou a ideia, desenvolvida por estudiosos...
Cada Livro da Bíblia em Uma Palavra Cada Livro da Bíblia em Uma Palavra
Deus Se revela através de Sua Palavra. Quando Ele fala, Ele nos ensina como Ele é, como Ele age e...
A Origem do Papado A Origem do Papado
O Catecismo da Igreja Católica declara: “O Pontífice Romano, em razão de seu cargo de Vigário de...

Envie suas perguntas