Se você já ouviu um Protestante que se converteu ao Catolicismo falando sobre a “jornada de volta para casa”, você já ouviu o argumento. Se você leu “histórias de conversão” online, viu isso repetido, ad nauseum. “Existe apenas uma igreja verdadeira, Roma! Olhe para o Protestantismo! 33.000 denominações, e mais entrando em ação todos os dias! E por quê? Por causa do Sola Scriptura [Somente a Escritura]!” Você encontrará essa afirmação em livros de conversão, como a série “Surprised by Truth”, editada por Patrick Madrid. Al Kresta, um desses convertidos, no primeiro capítulo dessa série, escreveu:

“Eu me perguntava como o Protestantismo, que se dividiu em mais de 20.000 denominações em todo o mundo, poderia ser o que Jesus tinha em mente em João 17:21 quando disse que o mundo saberá que o Pai enviou o Filho pela unidade de seus discípulos.” (Al Kresta, p. 266)

Kresta estava escrevendo há um tempo, antes que o número aumentasse para 33.000. A partir de 1998, encontramos isso no site “Catholic Answers”:

“A única coisa que eles rejeitam, porém, é qualquer autoridade vinculativa fora da Bíblia. Como resultado, cada vez que uma nova pesquisa de denominações cristãs é publicada, há mais divisão, não menos. Hoje existem mais de 26.000 diferentes denominações, seitas e igrejas independentes em todo o mundo. Eles se dividiram em questões tão centrais quanto a Ceia do Senhor e tão triviais quanto os instrumentos musicais que podem ser usados ​​na igreja. Cada cristão, com a Bíblia na mão, deve encontrar suas próprias verdades cristãs. Ele pode optar por confiar nos ensinamentos de seu pastor local, um evangelista na televisão ou nos ensinamentos formais de sua denominação, mas ele não está vinculado a nenhum desses ensinamentos. Em última análise, não há autoridade doutrinária vinculativa em sua vida fora de sua interpretação pessoal das Escrituras (Sola Scriptura).”

Observe agora que o número está aumentando? Tim Staples, por exemplo, afirmou:

“Mas também não é revelador que, desde a Reforma, há apenas 480 anos - uma reforma reivindicando a Sola Scriptura como seu princípio formal - agora existem mais de 26.000 denominações que derivam desse princípio? A Enciclopédia Cristã Mundial de 1982 projetou naquele ano que haveria 22.190 denominações em 1985. O aumento líquido atual, observou, é de 270 denominações por ano (cinco novas por semana). Se estendermos essa projeção ao nosso tempo, já temos mais de 26.000 denominações.”

Aqui, na Revista Envoy, encontramos a fonte a que esses homens estão se referindo, a World Christian Encyclopedia, cuja edição atual é de 2001, como veremos. Note que Staples cita diretamente a fonte. Tenha isso em mente. Em outro lugar, Staples disse:

“Segundo as Escrituras, a Igreja é o tribunal final de apelação para o povo de Deus em questões de fé, moral e disciplina. É dito que desde a Reforma de quase 500 anos atrás - uma Reforma que reivindica o Sola Scriptura como seu princípio formal - agora existem mais de 33.000 denominações protestantes. Em João 10:16 Jesus profetizou que haveria ‘um rebanho, um pastor’. A dependência do Sola Scriptura não foi eficaz no estabelecimento de doutrina ou autoridade.”

Aqui Staples atualizou seus números, após 2001. Mesma fonte. Steve Ray também gosta muito desse argumento. Em sua resposta à questão da Assunção, ele escreveu:

“Nossa fonte de autoridade não é a Bíblia apenas. Podemos agradecer a Deus e à Igreja Católica por isso. Basta olhar para a confusão em massa que essa doutrina inventada do Sola Scriptura infligiu aos protestantes, que se dividiram e se espalharam em mais de 33.000 grupos concorrentes diferentes com interpretações bíblicas que se espalham por todo o mapa.” [World Christian Encyclopedia (Oxford University Press, 2001), pg. 10.]

Agora, observe que Ray fornece a referência direta, mesmo o número da página, ao qual ele se refere. Em seguida, observe que ele está afirmando diretamente que o número 33.000 é apenas para os protestantes. Além disso, ele culpa o Sola Scriptura pelas 33.000 denominações. E para garantir que essa seja realmente a posição de Steve Ray, observamos suas palavras aqui:

“E o que agora? Quem sabe! Amanhã eles podem se separar novamente e formar a PRIMEIRA Igreja Batista Missionária Nova Progressiva e a Segunda. E então provavelmente se dividirá novamente na MAIS NOVA Primeira Igreja Batista Missionária Nova Progressista ou na Santa Primeira Igreja Batista Missionária Progressista Progressiva. E então adicionaremos várias seitas às já 33.000 denominações protestantes.”

Note ‘denominações protestantes’. E na semana passada, Steve Ray disse a Kevin Johnson:

“Olá Kevin. Obrigado por compartilhar seu nome, ele não estava no post. Gostaria de ter tempo para dialogar, mas infelizmente estou muito ocupado e não sou capaz de participar de debates detalhados. Nos velhos tempos, eu tinha bastante tempo, mas esse não é o caso agora. Espero que outros entrem em diálogo com você. Um dos problemas que enfrento Kevin é que você é de uma das 33.000 denominações [sic] que surgiram da Reforma e dedicar algum tempo para entender os vários detalhes que cada um de vocês mantêm com uma infinidade de crenças e tradições seria impossível.”

Então, Steve Ray repetidamente fez a afirmação de que existem 33.000 denominações protestantes. Ele disse repetidamente que isso se deve ao Sola Scriptura. E ele deixou claro de onde está supostamente obtendo suas informações, da World Christian Encyclopedia. 

Então, vamos testar esse argumento muitas vezes repetido, encontrado nas conversas e escritos de uma ampla gama de apologistas católicos romanos.

O Primeiro Erro: Lógica Simples

Antes de examinar a fonte desse argumento e os problemas associados a ele, deve ficar claro que todo o argumento aqui apresentado pode ser identificado apenas como “falso”. Ele falha no escrutínio em todos os níveis possíveis. Os saltos na lógica e na argumentação são vastos. Vamos nos concentrar apenas em dois dos problemas óbvios.

Primeiro, como o apologista católico romano demonstra que o Sola Scriptura é a fonte dessas divisões, especificamente? Por exemplo, quando vemos uma divisão nas fileiras de Roma e vemos fortes discordâncias sobre questões-chave, segue-se que o magistério romano é o culpado pelas diferenças de ponto de vista? Se um cristão acredita nas Escrituras como uma regra suficiente de fé, como se segue que um abuso de uma fonte tão suficiente é um argumento contra sua suficiência? Tal simplesmente não segue. As Escrituras podem ser perfeitamente adequadas ao seu propósito, mas os homens ainda são pecadores. Os homens ainda são imperfeitos. Os homens ainda são ignorantes. E, mais importante, os homens ainda têm suas tradições. Portanto, enquanto esses apologistas fingem que é “certo” que o Sola Scriptura é o responsável por essas divisões, essa suposição é insuficiente para provar o argumento.

Segundo, e relacionado a isso, é a observação dolorosamente óbvia de que apenas uma pequena porcentagem das igrejas “protestantes” hoje, conscientemente, até mesmo procuram professar, muito menos confessar e praticar, o Sola Scriptura. De fato, um grande número de igrejas não-católicas adotam todos os tipos de conceitos que violam o Sola Scriptura, então como o princípio pode ser responsabilizado pelas ações daqueles que nem sequer acreditam nele? Obviamente, não pode. Na realidade, aquelas igrejas que buscam especificamente professar, confessar e aplicar o Sola Scriptura são significativamente mais unidas em sua teologia do que aquelas que procuram alguma fonte externa, inspirada/guiada de interpretação ou revelação.

Mas há uma razão ainda mais básica para rejeitar esse argumento tão frequentemente usado por pessoas como Tim Staples e Steve Ray.

Artigos Relacionados

Os Pais da Igreja e a Suficiência das Escrituras Os Pais da Igreja e a Suficiência das Escrituras
Um dos lemas fundamentais da Reforma Protestante foi o princípio “Sola Scriptura”, “Somente as...
O Mito de Thor É Baseado em Jesus? O Mito de Thor É Baseado em Jesus?
Na batalha final da última guerra entre o bem e o mal, o Filho do Deus-Pai derrotará o mal na forma...

 

O Segundo Erro: É Apenas uma Mentira

Sempre que você se converte à outra religião, citando uma fonte, eis um conselho. Leia você mesmo a fonte. E quando fazemos isso com a World Christian Encyclopedia, descobrimos que quase qualquer coisa dita por Steve Ray, Tim Staples ou outros em seus círculos deve ser tomada com um pouco de sal - sempre. Na página 10, na fonte citada por Ray, lemos,

CRISTIANISMO GLOBAL

possui 26.350  / 33.820 denominações / paradenominações

1.391.020 / 3.445.000 congregações / igrejas

1.130 / 1.888 milhões de cristãos afiliadas

dicotomizados em 2 categorias globais.

O primeiro número é de 1970, o segundo de 2000. As duas “categorizações globais” oferecidas são “denominacionalismo” e “pós-denominacionalismo”. É vital perceber que o número 33.820, usado por Ray e Staples e pelos outros apologistas católicos, combina todas as “denominações” incluídas nas duas listas. Mas se esses homens fizessem uma pequena leitura na própria página que citam, perceberiam que essa não é uma lista de “denominações” decorrentes da Reforma Protestante (embora, novamente, para maior clareza, observe, isso é exatamente a reivindicação de Steve Ray, como documentado acima). 21.990 dessas denominações estão na categoria “pós-denominacionalismo”, 11.830 na denominacional. E por favor perceba, o número denominacional inclui católicos romanos, ortodoxos e protestantes! De fato, surpreendentemente, essa fonte lista 242 denominações católicas romanas! Se esses pesquisadores tão cuidadosos se preocupassem em ler a página 16, teriam descoberto:

Esta fonte lista 781 denominações “ortodoxas” (Ortodoxia Oriental), prevendo 887 para 2025.

Essa fonte lista 242 denominações “católicas romanas” para 2000, prevendo 245 para 2025.

Algum desses grupos surge da Reforma? Claro que não! Em vez disso, continuando na página 16, o grupo abrangente “Protestante” é listado como tendo 8.973 denominações em 2000, prevendo 9.490 até 2025. Se pararmos aqui, isso significa que Steve Ray e Tim Staples têm 24.000 denominações a mais em suas reivindicações repetidas, ou seja, o número real na fonte é apenas 27% do número que eles fornecem. Eles estão inflando o número em mais de 300%! Por quê? Eles estão simplesmente fazendo referências de segunda mão sem sequer olhar para as fontes? Ou eles estão sendo desonestos?

Mas essa não é a imagem inteira. Ao começar a trabalhar na lista de denominações “protestantes”, você descobre que elas incluem grupos não-trinitários, assim como outros grupos como os Adventistas do Sétimo Dia! Algumas das outras denominações listadas abertamente adotam “revelações” no período moderno, o que significa que dificilmente se apegariam a qualquer doutrina significativa de Sola Scriptura.

Depois dos grupos protestantes, você tem grupos “independentes”, seguidos por grupos “cristãos marginais”. Mas todos esses são adicionados ao número 33.820! Por favor, entenda que isso inclui “gnósticos”(!), Mórmons (122 denominações!) e Testemunhas de Jeová (228 denominações)!

Portanto, o leitor sério tem uma conclusão: Steve Ray, Tim Staples e o resto da comunidade apologética católica romana que joga o número de 33.000 ao redor como uma bola de futebol estão se envergonhando sem fim toda vez que repetem esse mito. Não é apenas dolorosamente óbvio que o Sola Scriptura não é o culpado por esse número de 33.000, mas nessa fonte, lida em seu próprio contexto, a grande parte daqueles listados no número de 33.000 nem mesmo confessa a doutrina, muito menos a pratica em suas enunciações teológicas e desenvolvimento! Mesmo entre os grupos protestantes listados, quantos conhecem seriamente as questões que cercam a doutrina, ou fazem um esforço consciente para aplicar a verdade? Portanto, nenhuma pessoa honesta poderia, à luz dessas informações, continuar usando esse número da mesma forma que Ray, Staples e outros fazem com regularidade.

Ironicamente, na página seguinte à citada por Ray (p. 11), encontramos um gráfico relacionado aos mártires durante a história da cristandade. Alega que 11.000.000 mártires morreram como católicos romanos desde 1000 d.C. (eles estão incluindo as Cruzadas? - não somos informados). Da mesma forma, lista 3.170.000 mártires protestantes e 838.000 “católicos anteriores a 1000 d.C.”

Mas, na próxima seção, lista quem foi responsável por matar esses mártires. Governos seculares e ateus têm grande pontuação, com 55.597.000 e 31.519.000, respectivamente. Os muçulmanos são de alto desempenho na escala de produção de mártires, com 9.101.000 em crédito. Os animistas vêm em quarto lugar com 7.469.000, e adivinhem quem é o número 5 na parada de sucessos que produz mártires? Sim, o Catolicismo Romano, com 4.951.000! Gostaria de saber se Ray e Staples vão citar essa estatística em breve? E se não, por que não?

 

Conclusão

À luz desses fatos, gostaria de convidar Steve Ray, Tim Staples e todos os outros apologistas católicos romanos que ensinaram, por palavra falada ou por escrito, que existem 33.000 denominações protestantes, para retratar abertamente e publicamente afirmação errônea, peçam desculpas e expliquem como é que eles poderiam realmente fornecer uma citação a uma fonte que, após exame, refuta realmente sua aplicação em sua totalidade. Eles simplesmente não entenderam o que estavam lendo? Eles realmente olharam para a fonte? Eles estavam apenas oferecendo a citação tirada de outra pessoa? Qual a explicação? Mentes inquiridoras querem saber.

 

Traduzido a partir de The 33,000 Denominations Myth <https://www.aomin.org/aoblog/2007/08/22/the-33000-denominations-myth>.