Em nossa era cientificamente avançada de clonagem, biomimética, processadores Pentium e Internet, o ceticismo dos americanos sobre a inerrância bíblica parece ter alcançado um recorde histórico (ver Gallup e Lindsay, 1999, p. 36), especialmente em relação a questões sobre a Bíblia e a Ciência. Como poderia um livro, cujas partes foram escritas há 3.500 anos, ter dados científicos relevantes? Como poderiam os escritores da Bíblia ter feito declarações precisas sobre o céu muito antes da invenção de telescópios e satélites? Como poderiam ter classificado corretamente os animais antes do desenvolvimento da taxonomia de Lineu? Como suas referências à zoologia, botânica, astronomia e anatomia humana poderiam ser confiáveis?

Embora o propósito da Bíblia não seja fornecer um comentário sobre o Universo físico, os cristãos corretamente concluem que, se a Bíblia foi verdadeiramente dada “por inspiração de Deus” (2 Timóteo 3:16-17; ver Butt, 2007), então deve estar livre dos tipos de erros que os livros escritos por homens não inspirados contêm (ver Lyons, 2005, 2:5-25). A Bíblia pode não ser um livro de biologia, geologia ou química (a Bíblia é sobre Deus e redenção através de Jesus Cristo), mas “onde quer que ela lide com esses campos, suas declarações são verdadeiras e confiáveis” (MacRae, 1953, 110 [438]:134). Pelo menos o senso comum exige isso, se os escritores realmente foram “conduzidos pelo Espírito Santo” (2 Pedro 1:21 NVI).

De acordo com muitos céticos sinceros, os escritores da Bíblia fizeram vários deslizes científicos. Em um artigo de 1991 intitulado “Scientific Boo-Boos in the Bible”, o cristão que se tornou cético Farrell Till alegou: “Uma coisa que a Bíblia definitivamente não é é inerrante em matéria de ciência ... [A] Bíblia está repleta de erros” (1991). Em outro lugar até que desafiou os cristãos a explicar

“por que um livro divinamente inspirado e inerrante tem tantos erros científicos óbvios nele. E se a Bíblia está repleta de erros científicos, eles devem se perguntar também sobre a verdade dessa afirmação frequentemente papagueada de que a Bíblia é inerrante em todos os detalhes da história, geografia, cronologia etc., bem como em questões de fé e prática. Não é assim!” (1991b).

Depois de criticar os escritores sagrados por fazerem vários “erros de cálculos matemáticos”, Dennis McKinsey, autor de The Encyclopedia of Biblical Errancy, começou uma seção intitulada “Ciência Falsa” na qual ele declarou: “Uma segunda área importante na qual a Bíblia falha miseravelmente diz respeito ao grande número de declarações que são patentemente erradas do ponto de vista científico. Em inúmeras ocasiões, a Bíblia faz declarações que têm pouco ou nada a ver com precisão científica” (1995, p. 213). De acordo com a McKinsey,

“Poucos tópicos ativam mais os críticos bíblicos do que as contradições e imprecisões científicas baseadas na Bíblia. Isso é prontamente compreensível, em vista do fato de que o livro é um verdadeiro miasma de ciência pobre, matemática ruim e geografia imprecisa, todos com uma pesada sobreposição de mitologia e folclore ... A Escritura é uma verdadeira cornucópia de imprecisões científicas, falsidades e erros.” (1995, p. 209, 230).

Depois de listar 21 supostos erros científicos na Bíblia, McKinsey declarou: “Então isso é ‘ciência’ bíblica. Você não pode conceber um dilúvio mais discordante de ilusão enganosa! O mais triste de tudo é que a maioria dos porta-vozes mais proeminentes do cristianismo está plenamente ciente dessas insanidades bíblicas, mas não poupou esforços para evitá-las ou minimizar sua importância.” (1995, p. 216, ênfase acrescentada).

A verdade é que os apologistas cristãos fiéis não têm motivos para evitar as questões colocadas por McKinsey ou por qualquer outra pessoa em relação à confiabilidade da Bíblia. Podemos achar muitas das alegadas discrepâncias bastante insignificantes (por exemplo, “Judas morreu duas vezes”; “Jesus era ladrão”; cf. McKinsey, 2000, p. 236), e nos perguntarmos por que tais alegações seriam feitas, mas não vamos evitar perguntas sobre a inspiração e inerrância da Bíblia por medo de que a Bíblia não seja a Palavra de Deus. Na verdade, nesse artigo discutiremos um dos erros científicos supostamente encontrados nas Escrituras - um suposto erro que McKinsey acredita ser uma das melhores provas da “errância” da Bíblia. Achamos que você ficará perturbado e impressionado com a resposta - perturbado pela arrogância das alegações dos céticos, e ainda impressionado com a facilidade com que a verdade pode ser descoberta e o erro refutado.

Morcegos São Aves?

Todo mundo sabe que um morcego não é um pássaro. Os morcegos não tem bico, dão à luz e amamentam seus filhotes com leite até que sejam auto-suficientes. As asas de um morcego são sem penas e seu corpo é coberto de pêlos. Com base nessas características, os cientistas classificam os morcegos como mamíferos, não como aves. Então, o que a Bíblia tem a dizer sobre essas criaturas?

Os morcegos são especificamente mencionados apenas três vezes nas Escrituras. Isaías advertiu Israel sobre o tempo em que seus ídolos seriam lançados “nos buracos das rochas, e nas cavernas da terra ... para as toupeiras e morcegos” (2:19-20). As outras duas ocorrências são encontradas no Pentateuco em meio a leis relativas a animais puros e impuros. No livro de Levítico, Moisés escreveu:

Estas são as aves que vocês considerarão impuras, das quais não poderão comer porque são proibidas: a águia, o urubu, a águia-marinha, o milhafre, o falcão, qualquer espécie de corvo, a coruja-de-chifre, a coruja-de-orelha-pequena, a coruja-orelhuda, qualquer espécie de gavião, o mocho, a coruja-pescadora e o corujão, a coruja-branca, a coruja-do-deserto, o abutre, a cegonha, qualquer tipo de garça, a poupa e o morcego.

Levíticos 11:13-19 (ênfase adicionada)

Deuteronômio 14:11-18 também lista o morcego entre “aves”. Mas os morcegos não são aves; eles são mamíferos.

Segundo os céticos, a classificação bíblica dos morcegos como pássaros representa uma das “dificuldades científicas da Bíblia” (Petrich, 1990). Tal categorização é supostamente “uma contradição óbvia entre a Bíblia e a Ciência” (Khalil, 2007). Como “o morcego, é claro, é um mamífero, não um pássaro”, McKinsey listou Levíticos 11:19 como um “versículo excelente a ser usado ... para levar a iluminação aos biblicamente ignorantes” (1995, p. 744,14, ênfase adicionada; ver também McKinsey, 2000, p. 213).

Moisés, que era “instruído em toda a sabedoria dos egípcios, e era poderoso em palavras e atos” (Atos dos Apóstolos 7:22), era tão desinformado que não sabia a diferença entre morcegos e pássaros? Foi Deus, a quem a Bíblia afirma que criou morcegos e pássaros, incapaz de classificá-los adequadamente? Como isso não é “uma contradição óbvia entre a Bíblia e a Ciência”, como afirmou Ibrahim Khalil?

A resposta elementar a essas perguntas é simplesmente que Deus não classificou os animais há 3.500 anos atrás de acordo com nosso moderno sistema de classificação. Já na criação, Deus dividiu os animais em grupos naturais muito básicos. Ele fez criaturas aquáticas e aéreas no dia cinco e animais terrestres no sexto dia (Gênesis 1:20-23, 24-25). Similarmente, nos primeiros 23 versos de Levíticos 11 Deus dividiu as criaturas em animais terrestres (11:2-8), animais “que estão na água” (11:9-12), “aves” (11:13- 19) e insetos voadores (11:20-23). Ele não dividiu animais em mamíferos, aves, répteis e anfíbios. De fato, o grupo de “coisas que se arrastam” mencionado mais tarde em Levíticos 11 (v. 29-30; cf. Gênesis 1:24-25) inclui mamíferos (por exemplo, ratos) e répteis (por exemplo, lagartos). Claramente então Deus dividiu os animais de acordo com a sua forma de locomoção e ambiente, ao invés de se eles têm pêlos, colocam ovos ou amamentam seus filhotes.

Ainda assim, alguns podem questionar por que a palavra “ave” é usada para a categoria na qual os morcegos são listados. Por que não chamar simplesmente esse grupo de animais de “criaturas voadoras”? Na verdade, o termo “ave” em Levíticos 11:13 (assim como Gênesis 1:20-30) é traduzido da palavra hebraica ‘ôp, que literalmente significa “criaturas voadoras” (Harris, et al., 1980, p. 654; cf Brown, et al., 1993). É derivado de ‘ûp, significando “voar, voar sobre, voar para longe” (Harris, et al., p. 654-655). O fato de essa palavra não ser usada apenas para “aves” é evidente em Levíticos 11:20-23, onde é usada com sherets em referência a “coisas aladas rastejantes” (ASV), isto é, insetos voadores.

Reconhecidamente, os morcegos e as aves têm muitas diferenças, mas uma das principais semelhanças - a capacidade de voar - é a característica que Deus usou para agrupá-los. Por que nenhum outro mamífero é incluído nesta lista? Porque “os morcegos são os únicos mamíferos capazes de voar verdadeiramente” (Jones, sd) - outra razão pela qual os tradutores da Bíblia escolheram usar o termo “aves” nessas passagens, em vez dos termos mais gerais “criaturas voadoras”. Tradutores parecem raciocinar que “se 99,9% de todas as ‘criaturas voadoras’ são aves, então usaremos o termo ‘aves’ para traduzir a palavra (‘ôp).” Já que os estudantes da Bíblia devem estar muito familiarizados com a figura de linguagem conhecida como sinédoque (“pelo qual uma parte é colocada para o todo” - “Sinédoque”, 2009; veja Dungan, 1888, p. 300-309; cf. Gênesis 8:4; 21:7), eles não devem ter dificuldade em entender porque os tradutores continuam a usar o termo “aves” para categorizar todas as criaturas voadoras, incluindo os morcegos. Afinal, os morcegos formam uma porcentagem muito pequena de todos os animais que voam.

Além disso, observe que os morcegos são colocados no final da lista de aves e logo antes da lista de insetos voadores. Esta colocação é inteiramente apropriada para a única “criatura voadora” viva que não é nem uma ave verdadeira nem um inseto.

Acusar Deus ou os escritores da Bíblia de categorizar animais incorretamente com base na taxonomia de Linnaeus em Systema Naturae (1735), ou qualquer outro método moderno de classificar animais, equivale a criticar as pessoas por não organizarem seus guarda-roupas ou catalogarem seus livros de acordo com seus próprios métodos. Se uma pessoa escolhe organizar livros em ordem alfabética, sequencial ou topicamente, de acordo com o Sistema Decimal de Classificação de Dewey ou o Sistema de Classificação da Biblioteca do Congresso, é uma questão de julgamento. Da mesma forma, é extremamente injusto julgar sistemas de classificação antigos de acordo com os padrões arbitrários do homem moderno. Os céticos estão errados em impor seus padrões preconcebidos a um texto antigo. Francamente, colocar os morcegos na categoria de “criaturas voadoras”, em vez de com os animais terrestres, “todos que estão na água” ou “coisas rastejantes” faz todo o sentido. Os morcegos são, afinal, “os maiores peritos voadores do mundo” (Cansdale, 1970, p. 135, ênfase acrescentada), não caminhantes, rastejantes ou nadadores. Para a alusão de Moisés aos morcegos ser um erro verdadeiro, ele teria que dizer alguma coisa sobre o efeito de “morcegos não são animais voadores”.

Infelizmente, uma questão importante, muitas vezes deixada inexplorada em uma discussão do tratamento bíblico de morcegos e aves, é por que Deus classificou os morcegos como “impuros”. Isso foi simplesmente devido à aparência estranha de muitos morcegos, ou por que eles são moradores de cavernas noturnos? Poderia haver algo mais? Kyle Butt abordou a sabedoria da instrução de Deus sobre morcegos em seu livro: Behold! The Word of God (2007). O fato é que

Artigos Relacionados

A Bíblia É Realmente Confiável? A Bíblia É Realmente Confiável?
Nenhum livro deu mais o que dizer, seja bom ou ruim, do que a Bíblia. Atualmente, vivemos um tempo...
Por Quem e Quando Foi Escrito Cada Livro da Bíblia? Por Quem e Quando Foi Escrito Cada Livro da Bíblia?
Bíblia é o livro sagrado de todos os cristãos. É a palavra de Deus, que foi registrada por escrito...
A Bíblia Incentiva o Estupro? A Bíblia Incentiva o Estupro?
Uma ideia predominante nos círculos céticos é que o Deus do Antigo Testamento é cruel e tolera...
Bíblia: O Mais Antigo Livro de Medicina Preventiva Bíblia: O Mais Antigo Livro de Medicina Preventiva
Em 28 de setembro de 1976, o seguinte telegrama foi recebido na sede da Organização Mundial da Saúde...

“... morcegos geralmente carregam raiva. Embora seja verdade que muitos animais são suscetíveis à raiva, os morcegos são especialmente assim. O American College of Emergency Physicians documentou que, entre 1992 e 2002, a raiva transmitida por morcegos causou 24 das 26 mortes humanas por raiva nos Estados Unidos (‘Human Rabies …’, 2002). No artigo do Science Daily descrevendo esta investigação, ‘Robert V. Gibbons, MD, MPH, de Walter Reed Army Institute of Research in Silver Spring, MD, revisou os 24 casos de seres humanos com raiva adquirida de morcegos.’ De sua pesquisa, ele aconselhou ‘o público a procurar atendimento de emergência para tratamento preventivo da raiva caso ocorra contato direto com um morcego’ (‘Human Rabies …’, 2002, ênfase no original). A instrução de Moisés para evitar morcegos coincide perfeitamente com a pesquisa moderna. Mais uma vez, a sabedoria sobre-humana transmitida através de Moisés por Deus não pode ser negada pelo estudante consciencioso do Antigo Testamento.” (p. 124)

Leia também: A Bíblia É Realmente Confiável?

Referências

Brown, Francis, S.R. Driver, and Charles B. Briggs (1993), A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament (Electronic Database: Biblesoft).

Butt, Kyle (2007), Behold! The Word of God (Montgomery, AL: Apologetics Press).

Cansdale, George (1970), All the Animals of the Bible Lands (Grand Rapids, MI: Zondervan).

Dungan, D.R. (1888), Hermeneutics (Delight, AR: Gospel Light, reprint).

Gallup, George Jr. and Michael Lindsay (1999), Surveying the Religious Landscape: Trends in U.S. Beliefs (Harrisburg, PA: Morehouse Publishing).

Harris, R. Laird, Gleason Archer, Jr. and Bruce Waltke, eds. (1980), Theological Wordbook of the Old Testament (Chicago, IL: Moody).

Jones, Edwin (no date), “Bats,” Stewardship Forest, [On-line], URL: http://www.ces.ncsu.edu/forestry/pdf/www/www21.pdf.

Khalil, Ibrahim (2007), “The Bat in Bible and Quran,” [On-line], URL: http://www.articlesbase.com/science-articles/the-bat-in-bible-and-quran-113198.html.

Linnaeus, Carolus (1735), Systema Naturae.

Lyons, Eric (2005), The Anvil Rings: Answers to Alleged Bible Discrepancies (Montgomery, AL: Apologetics Press).

MacRae, Allen A. (1953), “The Scientific Approach to the Old Testament—Part 2,” Bibliotheca Sacra, 110[438]:130-139, April.

McKinsey, C. Dennis (1995), The Encyclopedia of Biblical Errancy (Amherst, NY: Prometheus).

McKinsey, C. Dennis (2000), Biblical Errancy (Amherst, NY: Prometheus).

Petrich, Loren (1990), “Scientific Errors in the Bible,” [On-line], URL: http://www.skepticfiles.org/atheist/genesisd.htm.

“Synecdoche” (2009), Merriam-Webster Online Dictionary, [On-line], URL: http://www.merriam-webster.com/dictionary.

Till, Farrell (1991), “Scientific Boo-Boos in the Bible,” The Skeptical Review, January-February, [On-line], URL: http://www.theskepticalreview.com/tsrmag/1boobo91.html.

 

Extraído e adaptado a partir de: <http://www.apologeticspress.org/APContent.aspx?category=6&article=2731>.

Artigos Relacionados

O que há de errado com ‘The Red Tent’? O que há de errado com ‘The Red Tent’?
“The Red Tent” (A Tenda Vermelha) não é uma programação que você deveria passar para o seu grupo de...
Joias e adornos: o que a Bíblia diz sobre seu uso? Joias e adornos: o que a Bíblia diz sobre seu uso?
Algumas denominações religiosas proíbem seus membros de utilizarem adornos como brincos, colares ou...
“Pilares da Terra” – A Bíblia ensina uma Cosmologia mitológica? “Pilares da Terra” – A Bíblia ensina uma Cosmologia mitológica?
Os céticos/deístas/ateístas muitas vezes levantam a questão da Terra sendo colocada sobre pilares em...
Uma Bíblia Feminista e um Deus que não é Pai Uma Bíblia Feminista e um Deus que não é Pai
Algo comumente alegado pelo movimento feminista é o papel historicamente opressor da fé cristã sobre...

Envie suas perguntas